quarta-feira, 25 de abril de 2018

Deus e o Estado brasileiro


Como se explica essa fé em Deus com tanta injustiça em nosso país? 

  
 É uma boa pergunta que merece uma boa explicação!
O Brasil sempre foi e sempre será um país de alma religiosa.
A nossa colonização portuguesa trazida por padres jesuítas carregava em seu bojo o catolicismo romano medieval. Encontraram nessas terras índios com seus deuses das matas, das cachoeiras e das florestas. É verdade que a maioria das nações seguem o mesmo histórico, e religião é um fenômeno tão antigo como a civilização humana. Mas no Brasil, assim como em muitas nações da América Latina, a religião católica e posteriormente, espírita e evangélica e que tem em sua mensagem cristã fundamentos e pilares de uma defesa por justiça, amor ao próximo e juízos de Deus contra toda a maldade e violência à terra, ao meio ambiente e ao próximo, essas mensagens estão alienadas da crença em Deus e da pratica pessoal desses princípios dela decorrente.

No Brasil é possível se cultuar à Deus e lêr a Bíblia sem se preocupar com a corrupção sistêmica que mata milhares de pessoas nas filas dos hospitais e a violência que assassina o próximo na esquina da Igreja?!

Nossos "templos" são para cultuar à Deus nos domingos somente e não podem servir de abrigo para o mendigo e necessitado nos 6 dias que sobram na semana. Cultuar a Deus e ignorar a sociedade agonizada por um Estado falido são duas moedas diferentes. Cultuar a Deus e servir o próximo não são sinônimos na cultura religiosa brasileira. É lógico que estou generalizando, mas sei que ha exceções! 


Há uma exegese equivocada de que o Estado tem tanto poder e autoridade quanto a Igreja, e temo que o Estado tenha até mais poder e autoridade que a Igreja, sendo esta subserviente ao poder absoluto do Estado, uma vez que "toda autoridade vem de Deus" e dai a Cesar o que é de César e a Deus o que é de Deus. Na cabeça do religioso brasileiro, Estado e Deus se fundem como uma única autoridade, mesmo que esse Estado seja corrupto, injusto e iníquo! Na teoria não mas na pratica sim. De modo que fica possível cultuar a Deus e respeitar o Estado apesar de tudo.

Quando se refiro a "igreja", se refiro tanto ao catolicismo romano, como ao evangélico "protestante", que de protestante, etimologicamente e historicamente, não tem nada, uma vez que ele é tão subserviente quanto a cultura católica romana medieval, onde a "Igreja" tinha tanto poder como a "corôa" possuía. É dessa matriz européia que se origina nossa dicotomia religiosa! 

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Você é o que você pensa!

1. Você é o que você pensa!
2. Jó tinha medo do seu futuro.
3. Jó não aceitava quem ele era.
4. Jó se culpava pelo seu passado.
5. Convivência com pessoas que recocheteiam pensamentos.
6. A incapacidade de se lidar com os reveses da vida
7. O sofrimento é indispensável para nos transformar numa pessoa melhor.
8. Não estabeleça alvos ilusórios, inatingíveis para a sua vida.
9. Eu sou bem sucedido quando os propositos de Deus estão se efetuando pela minha vida.
10. Seja o melhor de você mesmo!
11. Não queira respostas para todas as perguntas da vida.

Pensamento produz energia de atração.